quarta-feira, 4 de fevereiro de 2009

Processos, implantação de ERP e a Lei do Bem

Quando a Lei do Bem defini inovação tecnológica de processo, ela menciona processo de fabricação. O processo de provisionamento de serviços deve ser considerado porque está claro no Manual de Oslo que produto quer dizer bens e serviços. No entanto, considere que a Lei do Bem aceita "chorando" processo em serviços, porque o foco da lei é a industria de produção de artefatos, mas a Lei de Inovação, da qual decorreu a Lei do Bem, trata de "produtos, processos e serviços". Muitas empresas "utilities" prestadoras de serviços tem aplicado a Lei do Bem (vejam relatório de 2007 do MCT em seu site)

O ERP está relacionado a processos administrativo-financeiros e de gestão organizacional. Arrisco a dizer que a implantação de um ERP, ainda que este seja tratado como uma ferramenta para um novo processo de gestão e uma empresa, incluindo ou não o redesenho dos processos internos, poode se enquadrar em inovação organizacional, mas não em inovação tecnológica.

Para complicar, não vejo boa vontade do MCT em enxergar inovação tecnológica na área adminstrativa e financeira, ainda que de uma indústria.